Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As minhas heroínas: Joanne Woodward, a mulher misteriosa

por Ana Gabriela A. S. Fernandes, em 01.09.13

Depois dos meus heróis, Fredrich March, Robert Preston e o esboço para William Holden, faltavam as minhas heroínas. As actrizes-personagens que me fascinaram. 

Para começar, aqui vai Joanne Woodward, a mulher misteriosa. Misteriosa não no sentido de esconder um segredo ou de ser perita em jogos de sedução mas porque, sem se aperceber sequer, guarda em si imensas possibilidades: inteligência, paixões, afectos, sonhos.

Aqui a navegar neste rio estão dois filmes: The Long Hot Summer e Rachel, Rachel...

 

 

 Joanne Woodward é uma actriz que absorve e transmite a complexidade das personagens, como neste desafio, as três máscaras de Eve, fabulosa personagem e impressionante interpretação.

 

 

A sua voz altera-se do aveludado ao acutilante. Dir-se-ia da sua firmeza na postura e nos gestos que se trata de teimosia ou rigidez, mas em Rachel Rachel vemos a maior vulnerabilidade, a solidão e a depressão de uma professora que vive com a mãe numa pequena cidade do interior. Uma verdadeira obra-prima de Paul Newman, elaborada com a simplicidade só conseguida por uma grande sensibilidade.

 

Joanne Woodward e Paul Newman aparecem inseparáveis neste rio. Paul Newman filmou-a como mais ninguém, nesses anos em que o cinema parecia experimental, livre, solto, com a frescura de todos os inícios. São talvez dos poucos actores/realizador que escapam ao padrão cultural da época. Os seus filmes não nos surgem datados, surgem-nos surpreendentemente actuais. Digamos que acompanham as grandes mudanças culturais da época: as inseguranças, as fragilidades, os falhanços, os desencantos, os divórcios. A linguagem é a da realidade. Mas a perspectiva dessa realidade é poética, sensível, compreensiva. O olhar é o olhar de um adulto que enfrenta os desafios. Como no filme, Winning (1969) que nos revela a maturidade de uma época que é referida como irresponsável e de excessos mas que foi talvez a mais verdadeira e corajosa a olhar-se no espelho.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:16


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D